Projeto Dia do Soldado











O dia 25 de agosto foi escolhido como Dia do Soldado por ser a data de nascimento do Duque de Caxias, declarado patrono do Exército brasileiro em 13 de março de 1962.

Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, nasceu em 25 de agosto de 1803, na Vila de Porto Estrela (atual Duque de Caxias), no Rio de Janeiro. De família militar, sua vida sempre esteve ligada ao exército. Aos 5 anos de idade foi aceito como cadete. Aos 15 anos, já pertencia à Academia Real Militar. Recebeu várias promoções até alcançar o de marechal, posto máximo na hierarquia militar.
Caxias teve uma participação fundamental nas lutas de consolidação da Independência. Entre elas, podem ser citadas as campanhas na Bahia (1823) e na Cisplatina (1815-1825). Em 1837, já com a patente de tenente-coronel, comandou a luta para reprimir a revolta da Balaiada (Maranhão e Piauí, 1838-1841). Em 1841, é promovido a coronel e recebe o título de barão de Caxias. Em 1842, reprimiu manifestações liberais em Minas Gerais e São Paulo e os últimos focos da guerra dos Farrapos, o que lhe valeu o título de Conde e a escolha para o senado em 1846.Internacionalmente, participou das campanhas contra o governo de Manuel Oribe (Uruguai) e o ditador Juan Manuel Rosas (Argentina). Alcançou a patente máxima do Exército, a de Marechal, durante a Guerra do Paraguai (1865-1870). Nessa guerra, liderou a Tríplice Aliança (Brasil, Argentina e Uruguai), conquistando Assunção, capital do Paraguai, em 1869. Graças à sua participação, recebeu o maior título de nobreza dado a um brasileiro pelo Imperador: o de Duque de Caxias.Na administração, ocupou a presidência da província do Rio Grande do Sul em 1846 e o cargo de Ministro da Guerra em 1854 e 1861. Também foi presidente do Conselho de Ministros, função equivalente à do primeiro-ministro no sistema parlamentarista, em 1861.Morreu em Desengano, hoje Juparanã, no Rio de Janeiro, em 7 de março de 1880.
Aprendizagem em Ação
CANÇÃO DO EXÉRCITO ( clique para ouvir)



Nós somos da Pátria a guarda,
Fiéis soldados,
Por ela amados.
Nas cores de nossa farda
Rebrilha a glória,
Fulge a vitória.

Em nosso valor se encerra
Toda a esperança
Que um povo alcança.
Quando altiva for a Terra
Rebrilha a glória,
Fulge a vitória.

A paz queremos com fervor,
A guerra só nos causa dor.
Porém, se a Pátria amada
For um dia ultrajada
Lutaremos sem temor.

Como é sublime
Saber amar,
Com a alma adorar
A terra onde se nasce!
Amor febril
Pelo Brasil
No coração
Nosso que passe.

E quando a nação querida,
Frente ao inimigo,
Correr perigo,
Se dermos por ela a vida
Rebrilha a glória,
Fulge a vitória.

Assim ao Brasil faremos
Oferta igual
De amor filial.
E a ti, Pátria, salvaremos!
Rebrilha a glória,
Fulge a vitória.

A paz queremos com fervor,
A guerra só nos causa dor.
Porém, se a Pátria amada
For um dia ultrajada
Lutaremos sem temor.