Dificuldades de Aprendizagem


O termo 'Dificuldade de Aprendizagem' começou a ser usado na década de 60
 e até hoje muitas vezes é confundido por pais, escolas e professores como 
uma simples desatenção em sala de aula.
A  dificuldade de aprendizagem refere-se a um distúrbio que pode ser 
gerado por uma série de problemas cognitivos ou emocionais e pode 
afetar qualquer área do desempenho escolar e na maioria dos casos é o 
professor o primeiro a identificar que a criança está com alguma dificuldade, 
mas os pais e demais membros da família devem ficar atentos também. 
A dificuldade mais conhecida e que vem tendo grandes repercussões na 
atualidade é a dislexia, porém, é necessário estarmos atentos a outros 
sérios problemas como a  disgrafia, discalculia, dislalia, disortografia e o 
TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade). 
Segundo especialistas, as crianças com dificuldades de aprendizagem podem 
apresentar desde cedo um maior atraso no desenvolvimento da fala e dos

 movimentos do que o considerado 'normal'.

Mas os pais têm que ter cuidado para não confundir o desenvolvimento normal
 com a dificuldade de aprender. Toda a criança tem um processo, um
 ritmo diferente de desenvolvimento. Umas aprendem a andar mais cedo, 
outras falam mais tarde e isso é absolutamente normal, não existe um 'padrão'

 de desenvolvimento. 
Crianças com dificuldades de aprendizagem geralmente apresentam 
desmotivação e incômodo com as tarefas escolares gerados por um sentimento 
de incapacidade, que leva à frustração.
Mostre para a criança o quanto ela e boa em tarefas na qual ela tem
 habilidade e incentive-a  a desenvolver outras tarefas nas quais ela não é tão
 boa,  procure manter a calma, não rotule , ao contrário, elogie, isso irá 
fortalecer sua auto-estima.
Lembre-se, ninguém é bom em tudo!
Se  você observou alguma dificuldade no seu filho, que lhe chamou atenção, 
ou a escola  lhe chamou para conversar, é importante que o 
acompanhamento seja feito por uma equipe multidisciplinar que deverão esta

r envolvidos com um único objetivo: ajudar a criança!
Por isso é imprescindível que os pais conheçam seus filhos, conversem 
freqüentemente com eles e participem do seu dia a dia para que possam 
detectar quando algo não vai bem.
Outra coisa, as dificuldades de aprendizagem devem ser analisadas e 
compreendidas não somente como uma falha individual da criança que 
resiste em adequar-se ao "pré-estabelecido", mas como uma confluência 
de fatores que incluem a escola, a família, os professores e o sistema
 de relações sociais envolvidos. O impacto positivo do ambiente familiar 
sobre o desempenho da criança na escola depende de dois fatores: 
experiências ativas de aprendizagem que promovem competência cognitiva e

 um contexto social que oferece autoconfiança e interesse ativo em aprender.
Crianças que apresentam algum tipo de dificuldade escolar recebem menos 
atenção de seus pais, uma vez que as próprias dificuldades ocasionam certo
 desgaste na relação afetiva.Embora as dificuldades de aprendizagem 
estejam ligadas a múltiplos fatores, elas são sobremaneira sustentadas pelo
 meio familiar, escolar e social, e a forma como estes sistemas, em especial 
a família, definem essa dificuldade, terá um papel decisivo na evolução e
 resolução do problema, pois as dificuldades de aprendizagem expressam 
uma personificação dos conflitos familiares e emocionais que não foram
 manifestos explicitamente  permanecendo muitas vezes no inconsciente 
da criança, de forma velada.
Como Psicopedagoga sempre me chamou atenção a angústia e a tensão
 com que as famílias encaravam as dificuldades educacionais de seus 

pequenos, principalmente na época da alfabetização formal.


A família se preocupa e se desgasta em acompanhar o filho e esquece que 
alfabetização vem muito antes da entrada da criança na escola. O que eu 
quero dizer com isso? É que muitos pais culpam a escola antes de se 
responsabilizarem pela educação de seus filhos.

Não é uma questão de se encontrar culpados, mas sim de encontrar soluções.

Muitas vezes a criança apresenta dificuldades numa determinada escola, 
simplesmente porque não gostou do ambiente, do espaço, da forma como 
ela foi tratada, como é sua relação com a professora com os amigos, ou a
  metodologia não foi adequada às suas necessidades, e por aí vai.



Muitas vezes basta mudar de escola que cessam todos os sintomas descritos 
acima. Por quê? Porque a metodologia é diferente, as relações que se 
estabelecem são diferentes, a organização, o espaço e o tempo de atividades
 são diferentes, enfim, são múltiplos fatores.

Ballone (2004) afirma que as dificuldades de aprendizagem não devem ser 
tratadas como se fossem problemas insolúveis, mas como desafios que 
fazem parte do próprio processo da aprendizagem. Também considera
 necessário identificar e preveni-las mais precocemente, de preferência ainda 
na pré-escola.
Porém, não é simples afirmar que uma determinada condição psicossocial
 age como causa ou consequência na vida de uma criança.
Uma criança que apresenta dificuldade de aprendizagem, provavelmente, 
já passou por diversas cadeias de circunstâncias desfavoráveis para o seu 
desenvolvimento e essa dificuldade, se persistir, também acarretará novos 
prejuízos psicossociais, que, por sua vez, também contribuirão para a 
manutenção ou intensificação das dificuldades de aprendizagem.

Como vocês podem ver, não é uma questão simples de se resolver, 
requer avaliação  e acompanhamento multidisciplinar, e cada caso requer
 um encaminhamento diferente.

Espero que tenham gostado.

Até breve!




Nenhum comentário:

Postar um comentário